Protagonizando a cena do samba carioca, o grupo Galocantô se projetou na virada do século como uma das principais referências do samba contemporâneo. Reconhecido principalmente por seu bom gosto na escolha de repertório, já em seu primeiro CD conquistou a admiração de importantes nomes do samba, desde as velhas guardas aos jovens sambistas, além de ouvintes e amantes do gênero em diversas regiões do país.

 “O Galocantô é um dos melhores conjuntos de samba da atualidade. Não basta só cantar o samba, tem que ter a filosofia, viver no samba, e esses meninos vivem. É por isso que eu gosto do Galocantô; e estou muito feliz em participar desse disco que vai ser o primeiro entre muitos”

Beth Carvalho (2006)

 Seu primeiro álbum, Fina Batucada – 2006 -, lhes rendeu o Prêmio da Rádio Nacional, em 2007, como Melhor Grupo de Samba e também a indicação ao Prêmio Tim (atual Prêmio da Música Brasileira) na mesma categoria, “perdendo” orgulhosamente o título para o Grupo Fundo de Quintal; sua maior referência entre os grupos de samba. Os próximos dois álbuns, Lirismo do Rio – 2011 – e Pano Verde – 2016 – também foram indicados ao Prêmio da Música Brasileira na mesma categoria, ratificando os passos firmes dos jovens sambistas.

“Esses batuqueiros são muito bons. Ventos favoráveis estão norteando a carreira que estão iniciando. Cantando um bom repertório, apoiados por uma batucada segura e boas harmonias, o Galocantô é uma novidade que já deixou de ser promessa”.

Rildo Hora (2006)

O grupo surgiu no final da década de 1990, quando as rodas de samba eram cada vez mais raras de se encontrar pela cidade, com exceção de alguns focos de resistência no subúrbio. Foi numa Lapa deserta de público e repleta de histórias, que um despretensioso movimento de sambas na rua daria início à revitalização do bairro, e viria a torná-lo, mais uma vez, palco para uma nova geração de sambistas.
Com o comando de Ivan Milanês, baluarte da Velha Guarda do Império Serrano, iniciou-se uma série de encontros semanais que aconteciam na Rua Joaquim Silva, embaixo dos Arcos da Lapa, um dos principais cartões postais da cidade. Em pouco tempo, aquele encontro de toda quinta-feira começou a ganhar prestígio e a ser frequentado por gente importante como Luiz Carlos da Vila, Beth Carvalho, Claudio Camunguelo, Bandeira Brasil, Renatinho Partideiro, Zé Luiz do Império Serrano e Diogo Nogueira – ainda como um ilustre anônimo -, entre outros.

“Galo cantou, às quatro da manhã”
(Na Linha do Mar – Paulinho da Viola);

Todos os galos cantaram, todas as chuva caíram” e,
No auge da trama, eu caí da cama. O galo cantou, feliz eu acordei
(Fogueira de uma Paixão e Romance dos Astros – Luiz Carlos da Vila)

Cocorocó, o galo já cantou
(Cocorocó – Paulo da Portela);

É, pois é, nem o galo cantou, e três vezes você me traiu
(É, Pois é – Almir Guineto);

Se o galo cantou, é que está na hora de chegar
(Puro Êxtase Barão Vermelho),  entre outros…

Nascia o Galocantô!

Passadas algumas formações e depois de se apresentar nas mais importantes casas de show e redutos de samba do Rio, hoje o Galo cisca pelos terreiros do Brasil afora com canções que marcam sua carreira, frutos de uma discografia de três CDs e um DVD – todos independentes – ao longo desses anos. No repertório dos shows, a mistura de músicas de seu trabalho autoral com clássicos dos mestres que os influenciaram, preserva a tradição do ensinamento oratório no samba.

O grupo hoje é formado por Leo Costinha – surdo e voz, Lula Matos – tantan e voz, Marcelo Correia – violão e voz, Jorge André – percussão e voz, e voz e Leandro Diaz – cavaco e voz.

Pablo Amaral e Edson Côrtes, na memória.

Dedicatórias do Grupo

“Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre de outros galos (…) que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo,para que a manhã, desde uma teia tênue, se vá tecendo, entre todos os galos (…)”

Tecendo a Manhã  (João Cabral de Mello Neto)

Nossa história, tal como descreve o poeta, é o cezir de sambistas que aqui se encontraram – e se encontram – num nobre objetivo comum: fazer Samba!
Dedicamos essa história e agradecemos a todos os integrantes que compuseram essa trajetória repleta de alegrias e orgulho. Nosso sincero agradecimento a Rodrigo Carvalho, o Biro (hoje em carreira solo), Pedro Arêas, Bernardo Carvalho,
Edu Tardin e, em especial a dois integrantes que por aqui deixam muitas saudades:

Pablo Amaral (Gamarra) e Edson Cortês ( Dinho)

Vem aí: DVD Terreiro do Galo, em SP

Em 21 de Abril de 2018, mais uma etapa importante da carreira do grupo se consolidou: a gravação do DVD TERREIRO do GALO. O segundo trabalho audiovisual do grupo, que está em processo de finalização e já começa a ser paquerado pelas principais rádios especializadas no gênero, promete uma fina seleção de clássicos junto aos grandes sucessos do grupo, construídos durante a carreira de quase 20 anos. Neste trabalho o Galo contou com a presença de importantes nomes do samba, como Leci Brandão, João Martins e o baluarte do Império Serrano, padrinho de carreira do grupo, Zé Luiz do Império Serrano. Da Terra da Garoa, também ciscaram nesse Terreiro: Douglas Sampa e Luisinho SP. A regência ficou a cargo do Maestro Wanderson Martins, sob a direção artística de Tulio Feliciano.
O trabalho tem lançamento previsto para este segundo semestre de 2019.


Pano Verde

Lançado em maio de 2016, o terceiro álbum da nossa carreira traz uma pitada de renovação ao nosso bom e velho amigo samba, com letras, músicas e arranjos contemporâneos, sem perder o fio tênue com a tradição. No repertório o arrebatador sucesso Vara de Família, dos compositores Nei Lopes e Fred Camacho, uma das músicas mais executadas nas rodas de samba do país. No CD também tivemos a honra de gravar a faixa O Galocantô, um presente que recebemos do poeta Luiz Carlos da Vila, um pouco antes de sua partida. Releituras dos clássicosUm a Zero (Pixinguinha, Benedicto Lacerda e Nelson Ângelo) e Malandros Maneiros (Nei Lopes e Zé Luis), com a participação do nosso amigo Zé Luis do Império, se misturam às canções da nova geração de sambistas como A Caixa (Pablo Amaral e João Martins), Fim da Nossa Aliança (Lula Matos, Renato da Rocinha e Felipe Bragança) e Don Juan Virtual (Anderson Baiaco, Luis Café e Juninho Thybau) . Os arranjos são de João de Aquino, Leandro Braga, Ivan Paulo, Luiz Henrique Paulista e Marcelo Correia. A direção artística é do renomado Túlio Feliciano.

Galocantô canta Luiz Carlos da Vila

Gravado em outubro de 2015 na Lona Cultural João Bosco, em Vista Alegre, nosso primeiro DVD faz uma justa homenagem ao poeta da Vila da Penha, no subúrbio carioca. Cantar a vasta obra de Luiz Carlos , um sambista que sempre nos tratou com carinho e respeito, nos encheu de orgulho e emoção. Para essa kizomba, convidamos alguns de seus parceiros e amigos como Sombrinha, Wilson das Neves, Dorina e Bira da Vila, além de amigos da nova geração que também beberam dessa fonte: Gabrielzino do Irajá, Jorge Agrião, Mingo Silva e Renato da Rocinha. A regência do DVD é do experiente Maestro Ivan Paulo, que também divide os arranjos com Marcelinho Correia, nosso 7 cordas.

Créditos: Ierê Ferreira

Samba Social Clube Nova Geração

“Chegou no pagode Baiaco, cantou sincopado com Mingo Juninho juntou com Di Caprio, o samba tá bom Pediu um partido pro Pipa, foi quando o Chacrinha chegou cantando o mais novo sucesso do Galocantô!”

João Martins / Inácio Rios

“Seguindo a História” é o abre-alas que apresenta outro grande projeto que tivemos a alegria e orgulho de fazer parte: “Samba Social Clube”. Nascido na extinta Rádio MPB e hoje na Sulamerica Paradiso, o projeto reúne desta vez as novas caras e vozes do samba carioca e apostou num formato diferente: “A Nova Geração”, que apresenta uma coletânea de novas composições do gênero. O Galo participa em 3 faixas: Manhã Seguinte e Pão que Alimenta (lançadas em 2006 no álbum Fina Batucada) e Vara de Família (do terceiro e atual trabalho, Pano Verde). Nós que iniciamos a difícil tarefa de produzir álbuns independentes dentre os companheiros de samba, somos considerados, de certa forma, como irmsempreis velhos dessa turma. Que venham sempre mais sambistas para renovação e perpetuação da nossa música!

Lirismo do Rio

O segundo CD – 2009 – indicado ao Prémio da Música 2010 na categoria melhor grupo de samba, reafirma nosso trabalho autoral. Com a direção musical de Wanderson Martins, nele gravamos canções próprias, inéditas e outras de grandes mestres consagrados como Wilson Moreira, Nei Lopes, Trio Calafrio e Toninho Geraes. A chamada Nova Geração do Samba já marca presença com parcerias de João Martins, Mingo Silva, Anderson Baiaco, entre outros nomes que surgiram no cenário do samba da cidade. Em comum, a poesia revelada em cada esquina carioca, em cada praia, nos bares e nos lares. Em “Lirismo do Rio” tudo vira samba.

Fina Batucada

Nosso primeiro álbum, produzido pelo violonista Teo Santos em 2006, trouxe em sua maioria, obras autorais e inéditas . O CD foi um marco naquele contexto, pois naquele período evidenciava-se um quadro de regravações e tributos aos grandes mestres. Na ousada atitude do Galo, novos sucessos como Pão que Alimenta, Galã de Xerém, Manhã Seguinte e a faixa título, Fina Batucada surgiram. Também fizemos pontuais regravações, nos casos de , A Volta do Malandro, de Chico Buarque e Pra Lá de Legal e Pra Voce Voltar, de Arlindo Cruz e parceiros. No CD ainda tivemos a honra de dividir algumas faixas com os ilustres convidados: Beth Carvalho, Arlindo Cruz, Velha Guarda do Império Serrano, Rildo Hora e Diogo Nogueira. Pra nossa surpresa, fomos indicados ao Prêmio TIM de 2007, na categoria melhor grupo de samba. Na ocasião, concorríamos ao premio com nossos professores, o Grupo Fundo de Quintal, que honrosamente levaram o caneco. Para nós, o Galo, foi um grande orgulho concorrer ao lado destes professores que muito influenciaram nosso amor pela música.

Terreiro do Galo

Evento itinerante promovido e produzido por nós. Um encontro informal onde podemos receber os amigos pra fazer o que a gente mais gosta: Samba! Nosso terreiro já passou pelas quadras da São Clemente, Vila Isabel, Santa Marta e clubes tradicionas da zona norte como A. A. Vila Isabel e Grajau Tenis Clube e atualmente acontece mensalmente no Espaço Vila Maria Zélia, em São Paulo.

Festa do Galo

Outro evento idealizado e produzido pelo Galo. Uma confraternização anual que acontece em lugares variados e já teve como palco o Clube Renascença, Espaço Ação e Cidadania, Clube Hebraica entre outros, celebrando com amigos e todo o mundo do samba os trabalhos realizados durante o ano. A festa já faz parte do calendário do samba carioca. Beijo do Galo.

Lula Matos

Percussionista e compositor, foi criado no bairro da Lapa. Desde a infância, viveu nas rodas de samba onde conheceu grandes bambas. Tocou com Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila, Monarco, Nélson Sargento, Walter Alfaiate, Wilson Moreira e a Velha Guarda da Mangueira. Como compositor, tem parcerias com Ivan Milanês, Adilson Bispo, Wanderley Monteiro, Carica e Luizinho SP. Seus sambas foram gravados em São Paulo por T. Kaçula e pelos grupos Estatuto do Samba, Relíquia e Panela Preta.

Marcelo Correia

Nascido e criado no bairro Cachambi, cresceu nas rodas de samba da Zona Norte. Já aos 10 anos de idade teve contato com a percussão, logo passou para o cavaquinho, passeou pelo bandolim até se encontrar no violão de 7 cordas. Arranjador oficial do grupo, tem também dado uma contribuição à nova geração do samba carioca; E já fez arranjos até para o grupo Malandragem (Argentina). Se aventura no forró com Chico Sales e nosamba acompanhou artistas como Sombrinha, Trio Calafrio, Monarco e Dona Ivone Lara.

Leandro Diaz

Iniciou cedo na música, quando resolveu estudar cavaco em 1998, com o mestre Wanderson Martins. Fez parte do grupo Batuque na Cozinha, onde teve a oportunidade de acompanhar Arlindo Cruz, Rogê, Gabriel Moura e Luiz Carlos da Vila, também compôs banda de Tunico Ferreira, com quem fez shows memoráveis recebendo como convidados Mauro Diniz, Monarco, Fafá de Belém, Dona Ivone Lara, além do pai e irmã do cantor, Martinho da Vila e Martn’ália, respectivamente, entre outros. Gravou em todos os discos e DVD do Galocantô antes de fazer parte da formação oficial, e também com Batuque na Cozinha, João Martins, Renato da Rocinha, Adilson Bispo, Chiquinho Vírgula, Nossa Raiz, Na Linha do Mar, entre outros. Também participa em shows do Galo desde 2005, mas só em 2018, entrou para a formação oficial do grupo.

Jorge André

Despertou para a música aos 12 anos por influência do seu avô, Amaro da Portela, com quem aprendeu a gostar dos instrumentos de percussão. Fundou em 1997 o tradicional Pagode da Tia Ciça. Desde 1998 vem atuando no cenário musical com diversos artistas tais como: Monarco, Arlindo Cruz, Marcelo D2, Dudu Nobre, Trio Calafrio, Ivo Meirelles, entre outros. Participou do Tributo a Roberto Ribeiro e gravou no CD do compositor Sérgio Mendes e Will.I.Am (Black Eyed Peas). Faz parte do grupo Galocantô desde 2010

Léo Costinha

Se apaixonou pelo samba aos quinze anos. Ótimo percussionista, aprimorou seus dotes nas rodas de samba depois dos estudos. Fez parte do grupo “Além da Razão”, que comandava as rodas de samba do mestre Ivan Milanês, na Lapa. Costinha desistiu de ser cirurgião-dentista, profissão na qual é formado, para seguir em frente com o Galocantô.

Vara de Família

Manhã Seguinte

Pão que Alimenta

+ 55 21 98665-5678
contato@galocanto.com.br